quarta-feira, 28 de junho de 2017

Emily Dickinson






Alguns poemas de Emily Dickinson:


Ter Medo? De quem terei?
Não da Morte – quem é ela?
O Porteiro de meu Pai
Igualmente me atropela.

Da Vida? Seria cómico
Temer coisa que me inclui
Em uma ou mais existências –
Conforme Deus estatui.

De ressuscitar? O Oriente
Tem medo do Madrugar
Com sua fronte subtil?
Mais me valera abdicar!






A uma luz evanescente
Vemos mais agudamente
Que à da candeia que fica.
Algo há na fuga silente
Que aclara a vista da gente
E aos raios afia.






Morri pela Beleza – mas mal eu
Na tumba me acomodara,
Um que pela Verdade então morrera
A meu lado se deitava.

De manso perguntou por quem tombara…
– Pela Beleza – disse eu.
– A mim foi a Verdade. É a mesma Coisa.
Somos Irmãos – respondeu.

E quais na Noite os que se encontram falam –
De Quarto a Quarto a gente conversou –
Até que o Musgo veio aos nossos lábios –
E os nossos nomes – tapou.






Escondo-me na minha flor,
Para que, murchando em teu Vaso,
tu, insciente, me procures –
Quase uma solidão.






Me ata – canto mesmo assim
Proíbe – meu bandolim –
Toca dentro, de mim –

Me mata – e a Alma flutua
Cantando ao Paraíso –
Sou Tua –











2 comentários:

Lucy Mara Mansanaris disse...

Boa tarde Ana.
Conheço poucos poemas de Emily Dickinson, o primeiro é meu preferido já a algum tempinho, pretendo ler mais...
Uma linda postagem, parabéns!

lucia constantino disse...

Amei a postagem dos belos poemas de Emily, que eu admiro demais. Parabéns! Tenho um livro com uma seleção de poemas dela e sempre estou relendo. Bjsss

RUMI - Em Minha Alma, eu Sei

poema traduzido do inglês: Em minha alma, Eu acho que sei... Devo pensar assim? Ou devo pensar: Pelo menos, estou n...